Luiz Eduardo Costa
Luiz Eduardo Costa, é jornalista, escritor, ambientalista, membro da Academia Sergipana de Letras e da Academia Maçônica de Letras e Ciências. Além desse blog, é colunista do Portal F5 News.
TEXTOS ANTIVIRAIS (64)
03/06/2021
TEXTOS ANTIVIRAIS (64)

QUANDO AS COISAS ACONTECEM

(Ao encerrar suas atividades em Sergipe a Petrobras nos  causou um enorme prejuízo. A reabertura da FAFEN, agora UNIGEL é um recomeço, mas estamos entendendo que é preciso descobrir outros caminhos)

As coisas acontecem a partir de estímulos. Tanto as ciências da natureza como as humanas, tratam de conhecer definir e sistematizar a relação de causa e efeito na origem dos fenômenos naturais, ou sociais e humanos.

Observa-se, a partir dos fenômenos tanto da natureza como aqueles no cenário humano que existe um processo permanente de movimento, ou evolução transformadora.

Em tempos assim, quando controvérsias que teriam sido esgotadas na Idade Média ressurgem como temas atuais, o essencial é não se deixar infectar pelo vírus da insensatez, ou o desafio cotidiano à lógica, que deforma a convivência humana.

O capitalismo é, em si mesmo, um motor permanente de mudanças, renovação, e processos de ajustes. Isso, não se faz com as camisas de força da rigidez ideológica. Se faz, apenas e tão somente com pragmatismo, a aceitação do útil, conveniente e oportuno, numa linha paralela às circunstancias sociais, e diálogo sem preconceitos.

Então, é essencial que a sociedade, as instituições, busquem encontrar-se com aqueles estímulos necessários para que a economia se mova.

No caso de Sergipe, por exemplo, questiona-se o que seria possível fazer diante desse solavanco inesperado que nos causou a perda de todo o sistema industrial da Petrobras, operando aqui há mais de 60 anos.

Em artigo escrito na edição do JORNAL DA CIDADE de domingo, dia 30, Marcos Melo, fazendo uma análise do livro recentemente lançado sobre o governo de Luiz Garcia, lembrou, como economista, e tendo nos governos de Augusto Franco e Albano comandado o planejamento do estado, que, no ano de 1963 quando o petróleo foi descoberto, a participação da indústria no PIB sergipano andava em torno de 14 %; trinta anos depois essa inserção chegava a 40%. Marcos atribui o fato aos efeitos diretos e indiretos da atividade petroleira.

Quais então os estímulos que deveriam surgir, tanto para retomar as cifras anteriores da industrialização, como para expandir os demais setores, sem ficar esperando apenas, pela anunciada era sergipana do petróleo e gás ?

É bom constatar: faz algum tempo, esses estímulos aliás muito consistentes já estariam surgindo.

Um dos fatores básicos para que esse clima favorável, apesar do desalento da pandemia tenha surgido, foi, entre outras coisas o diálogo permanente do governo de Belivaldo com o setor empresarial, e nisso o acompanha tanto a Prefeito de Aracaju, como os de muitos municípios, e toda a base política que mobilizou-se, principalmente a partir das desastradas ações de fechamento da FAFEN, com efeitos devastadores sobre o polo de fertilizantes.

O surgimento do NDS, um núcleo de pensamento e ação que mobiliza o empresariado, tem sido fundamental para estimular e formatar iniciativas privadas, e sugerir políticas públicas.

Agora, a UNIGEL ocupa o espaço deixado pela FAFEN, amplia a produção e gera os insumos que começam a energizar o polo, onde uma das principais fábricas, a da Hering, anuncia o retorno às atividades.

Os estímulos se fazem sentir em vários setores. No caso do turismo por exemplo, surgiram ações concretas resultantes do profissionalismo reinstalado na secretaria de estado, onde Sales Neto fez a diferença.

A Sergipe chegou um professor, criador de uma Universidade no semiárido baiano, a AGES, que em Paripiranga, onde tudo começou com uma escolinha, tem muito mais alunos do que a população da sede municipal. Ele assemelha a um outro professor, Jouberto Uchoa, menino pobre, que criou um complexo de educação superior a UNIT, em pé de igualdade com as maiores e melhores universidades do país e hoje chegando ao exterior. José Wilson, o pedagogo que se fez Reitor da sua Universidade, como empresário queria mais horizontes. Vendeu a AGES e veio morar em Aracaju, onde estudou, e agora faz uma quase revolução no turismo, com empreendimentos que desafiaram a pandemia, e já estão prontos a funcionar. Zé Wilson “descobriu” o estuário alargado do Vaza Barris, da mesma forma como Manuel Foguete há quase trinta anos foi “desbravando” o recém criado lago de Xingó, e fez nascer o segundo polo turístico de Sergipe, concorrendo com Aracaju. Por sinal, para abreviar o trajeto de 200 quilômetros desde Aracaju a Canindé, que se faz penoso por causa dos 112 quebra-molas, desde o entroncamento em Itabaiana até a chegada ao Karrancas, Belivaldo, quando fizer a readequação da Rota, após as chuvas, terá de imaginar o que fazer, ou seja, pelo menos reduzir pela metade os obstáculos, uma reclamação permanente dos turistas submetidos ao acelera – desacelera. No caso dos ônibus, isso retarda a viagem em mais 30 minutos. Sem falar no combustível que se queima.

Surge mais um roteiro: a Rota da Farinha, exatamente pelo entorno da Grande Itabaiana, onde existem algo em torno de mil fabriquetas, as “casas de farinha”, produzindo a de melhor qualidade no país, e há serras, cachoeiras, natureza exuberante; ao lado disso, os estímulos ao empreendedorismo, ao fortalecimento do pequeno, do microempresário. E sobre isso Itabaiana não para de transmitir boas lições.

A inauguração da primeira etapa da Orla Sarney readequada e ampliada, deu, de imediato, um efeito salutar, com as pessoas ali se movimentando, aproveitando a ciclovia, o calçadão, os equipamentos, e a amplidão do mar e da praia. Passada a pandemia aquilo vai encher-se de turistas e é preciso lembrar também que a Orla encompridando-se ao sul, dará uma nova e atraente visão ao turista que vem ao longo da Linha Verde, desde Salvador, até onde já se anuncia pretende-se criar uma extensa ciclovia que será a mais longa do país e, por isso se tornará uma referência para um esporte que cada dia mais se expande: o ecológico ciclismo, também transporte individual adequado aos anseios ambientalistas.

Ao lado da Rota da Farinha, em pequenos municípios como Santa Luzia do Itanhy, estão surgindo experiências inovadoras. Certamente, a inspiração de coisas assim partiu, também, dos estímulos nascidos no NDS. E isso demonstra que a sociedade mobilizando-se, o governo sintonizado com o empreendedorismo a roda dos negócios rodará.

Há também aquelas iniciativas pontuais, como a corrente de solidariedade para providenciar alimentos, juntando no mesmo caminho tanto o pobre remediado, como o rico abastado.

Outras ações solidárias, como o exemplo do empresário Juliano do Grupo Fassouto, dando prazo aos seus clientes de menor porte, como pequenos bares e restaurantes, e a eles mantendo o crédito, são, aparentemente, uma agulha no palheiro mas, na realidade importam, e muito.

Aproveitando o ressurgir da economia planetária, será plenamente possível que o Brasil ao longo dos próximos cinco anos recupere pontos perdidos no ranking das maiores economias. Mas isso apenas será factível se houver crescimento e inclusão social.

INFORME DESO

Ação com parceiros da Deso pontuam o Dia Mundial do Meio Ambiente

Um drive-thru ambiental com a distribuição de mudas frutíferas e hortaliças foi montado no estacionamento do Shopping Riomar

A Companhia de Saneamento de Sergipe – Deso, promoveu em parceria com o Colégio Arquidiocesano, Shopping Riomar, Care (Cooperativa dos Agentes Autônomos de Reciclagem de Aracaju) e Recigraxe (coletora de óleo saturado)ação alusiva ao Dia Mundial do Meio Ambiente, com a distribuição de mudas frutíferas e hortaliças, em um drive-thru ambiental montado no estacionamento do centro de compras.

A troca aconteceu diante de materiais como os recicláveis: garrafas pet, bucha de lavar prato e óleo de cozinha, pelos itens: lanterna para notebook, mudas frutíferas e hortaliças como beterraba, alface, e pimenta, além do sabão produzido através do óleo de cozinha. De acordo com a Coordenação de Educação Ambiental da Deso, a integração do público foi visível.

A intenção maior foi em promover algo que fosse dentro das medidas cabíveis, por conta do Decreto referente ao Coronavirus, onde o limite de participantes fosse delimitado, para que não houvesse aglomeração, então a iniciativa atraiu os participantes, pois através do drive as pessoas foram atendidas, antes mesmo de irem as compras, podendo fazer as trocas dentro do carro, pontuando uma ação inovadora.

PARCEIROS

As práticas de educação ambiental de todos os parceiros puderam ser expostas para a população presente, sendo esse mais um objetivo alcançado, onde cada instituição participante pode mostrar suas práticas, no que se refere a educação ambiental, voltado para a sociedade, unidas em uma ação, em prol do meio ambiente. A receptividade foi muito boa, e com isso, cerca de 50 mudas foram doadas.

Curso de Controle de Perdas traz treinamento e capacitação para profissionais da Deso

O corpo técnico da GCPR e GCPM estiveram presentes, além de engenheiros e técnicos das Regionais

Os novos desafios para a área do Saneamento exigem um investimento maciço na gestão, dessa forma, garante maior abrangência da população abastecida e proporciona sustentabilidade do sistema.Com base nisso, a Companhia de Saneamento de Sergipe – Deso, promoveu um importante “Curso de Controle de Perdas”, que contou com a presença do corpo técnico da Gerência de Controle de Perdas dos Sistemas das Regionais - GCPR e Gerência de Controle de Perdas dos Sistemas Metropolitanos - GCPM, e reuniu os engenheiros e técnicos das Regionais, no sentido de alinhar conceitos fundamentais e nortear novas estratégias de intervenção para os programas de perdas, bem como aprimorar as práticas já desenvolvidas.

De acordo com Gerência de Controle de Perdas dos Sistemas das Regionais, os investimentos para construir um ambiente favorável, representa um novo paradigma de gestão do saneamento. O foco desses investimentos são basicamente em tecnologia, processos e pessoas. Nesse sentido, a GCPR tem buscado capacitar os colaboradores da Deso, com uma perspectiva de integração da aprendizagem corporativa, incluindo o máximo de pessoas de diferentes áreas, a fim de expandir conhecimento, alinhar o pensamento e as estratégias na área de desenvolvimento operacional e controle de perdas.

OUTROS CURSOS
No segundo trimestre foram realizados vários treinamentos, como Controle de Perdas nos sistemas de abastecimento, Auditoria das Águas (balanço hídrico) em nível estratégico, pela Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental - ABES, e Detecção de Vazamentos Não Visíveis na Rede de Distribuição em Nível Operacional, com a parceria da Sanesoluti, todos promovidos com a Coordenação de Desenvolvimento de Pessoas da Deso.
O Curso de Auditoria das Águas, contou com a participação da Diretoria de Meio Ambiente e Expansão e colaboradores dessa diretoria, oportunizando um espaço de interlocução entre as áreas, unindo competências e oportunizando as melhores práticas.

Em nível operacional, o Treinamento de Detecção de Vazamentos Não Visíveis, buscou integrar as equipes de fiscalização de perdas das Regionais, com a participação da Metropolitana, dando início a um programa de formação de fiscais de desempenho operacional com foco em perdas, alinhados com as novas perspectivas do saneamento e suas metas em redução de perdas e ampliação da oferta de água tratada à população em todo o estado. Os treinamentos de Perdas e Balanço Hídrico foram ministrado pelo Eng. Nilton Zaniboni, por meio da ABES. Já o Treinamento de Localização de Vazamento Oculto foi realizado pelo Técnico em Eletrônica, Carlos Augusto Dezan, através da empresa Sanesoluti, fornecedora de equipamentos.

TREINAMENTO

Para  o setor de Pitometria e Operação de Geofone da GRSE, a pesquisa de vazamento é uma ferramenta incluída no controle de perdas, sendo indispensável para o combate ao desperdício e regularização do Sistema de Abastecimento. Através do diagnóstico é possível identificar problemas como: vazamentos não visíveis, possível desvio, localizar rede, conexões e possíveis obstruções. Possibilita também informações para estudo futuros de troca de rede ou redutores de pressão de acordo com a incidência de rompimentos em um mesmo local, melhorias do sistema assim como faz parte do Controle de Perdas. A pesquisa é feita por Haste de escuta e geofone de forma mútua e complementar. O contato direto com o profissional da empresa Sanesoluti permitiu absorver, de forma plena, a operação e configuração para diversos cenários encontrados em campo, assim como sanar dúvidas, de forma pratica e efetiva.

III Encontro do Programa Deso Vida acontece virtualmente e faz nova parceria

As Instituições já participantes serão agentes multiplicadores de outro Programa da Companhia, o “Tarifa Social”, atraindo novos usuários que se enquadrem nos requisitos

O "Programa Deso Vida", desenvolvido pela Companhia de Saneamento de Sergipe – Deso, através do setor de Atendimento Social, aconteceu virtualmente e reuniu algumas Instituições participantes. Com o objetivo de propiciar a regularização de débitos existentes e contribuir para a manutenção de adimplência das instituições participantes, através da adoção de tarifas diferenciadas, o Programa delimita que as instituições devem preencher alguns requisitos de elegibilidade, conforme estabelecido no regulamento.

No encontro, realizado através da videoconferência, foi debatido o tema: “Socializando Práticas para Enfrentamento dos Desafios Gerados pela Pandemia”, além de um momento de confraternização e também de reafirmar a importância desse Programa, não só para as instituições beneficiadas, mas também para a Deso.

NOVIDADE

Diante da importância do encontro, nessa edição foi priorizado o compartilhamento das experiências das Instituições no enfrentamento dos desafios gerados pela pandemia. Além da proposta de mais uma parceria, em relação ao Programa “Tarfia Social”, também realizado pela Deso. Segundo o setor de Assistência Social da Companhia, as Instituições que participam do “Deso Vida” também podem ser possíveis participantes do “Tarifa Social”.

Muitas das famílias atendidas por Instituições que participam do "Deso Vida" também podem ser famílias que possam participar do "Tarifa Social". Foi lançada a proposta de parceria com as Instituições, justamente para facilitar o acesso de direito a água. As Instituições aprovaram a proposta, já estão respondendo os emails com as documentações que sinalizam a participação e traçam os procedimentos, justamente para que o usuário não necessite ir até uma loja de atendimento da empresa e ele mesmo na instituição que ele já é atendido, possa entregar a documentação necessária, e diante disso seja possível analisar para inserir no "Tarifa Social”.

A ideia é divulgar o programa através das Instituições cadastradas no “Deso Vida”. O Programa "Tarifa Social" ainda é desconhecido da população, por isso, a intensificação de parcerias como essa, além das divulgações, pois a pandemia agravou a situação socioeconômica das famílias que podem estar passando por dificuldades nos pagamentos de suas contas. A Deso tem trabalhado nessa perspectiva de divulgação com o objetivo das Instituições que hoje estão no "Deso Vida",  também serem multiplicadores dessa informação, e assim, facilitar o acesso desses usuários a esse outro Programa que a Deso dispõe.

Para a Irmã Maria Mabel, diretora do Externato São Francisco de Assis, localizado em Aracaju e participante do “Deso Vida”, desde 2019, a participação é de grande importância para todos os envolvidos. “ Ser participante nos dá a oportunidade de ampliar nosso atendimento, e realizar melhoras em nossa instituição. Além da qualidade de vida das crianças, e das famílias atendidas, tem um significado único para nós.Não tem preço e ao mesmo tempo um valor de economia. A Deso com essa parceria nos possibilita uma transformação de vidas, nos dando condições de poupar para investir mais na vida das famílias e crianças atendidas”, disse.

Esse ano tivemos a grata surpresa de sermos parceiros também na proposta trazida durante o encontro virtual, em sermos multiplicadores do outro Programa “Tarifa Social”, divulgando e inscrevendo famílias que estão enquadradas nas condições participantes. As instituições, as famílias e a Deso caminham de mãos dadas com esses Programas. A todos nossa gratidão, pois somos ouvidos e apoiados pela Deso. A água é vital a vida do ser humano, dos animais e da natureza como um todo”, finalizou a Irmã Mabel.

TARIFA SOCIAL

Conheça as condições e requisitos para participar do "Tarifa Social", clicando no link que segue:

 https://www.deso-se.com.br/v2/index.php/tarifa-social

 

 

 

Voltar