Luiz Eduardo Costa
Luiz Eduardo Costa, é jornalista, escritor e membro da Academia Sergipana de Letras e da Academia Maçônica de Letras e Ciências.
Além desse blog, escreve duas páginas dominicais no Jornal do Dia.
O ANO 18 E A LOJA COTINGUIBA
25/12/2018
O ANO 18 E A LOJA COTINGUIBA

O ano 18 a que aqui nos referimos não guarda, no caso, nenhum simbolismo ou faz alusão a qualquer ritual maçônico. É somente uma referencia ao ano que termina agora. A Loja Maçônica Cotinguiba é uma das mais antigas do Brasil, Loja mãe de todas as demais em Sergipe. Foi fundada em Aracaju 17 anos após iniciada a construção da nova capital, e instalou-se exatamente no quadrado central, onde ficavam as edificações maiores. No século seguinte foi transferida para a sede atual, na rua Santo Amaro. Sobre a história da Loja e a vida dos seus principais obreiros há alguns livros publicados pelo acadêmico e maçom, Anderson Nascimento. Em 2022 a Loja estará comemorando o sesquicentenário, e este ano foi o inicio das preparação para o evento, que terá de ser intensamente comemorado junto com a sociedade sergipana. O atual venerável, ou seja, o chefe eleito para um biênio Carlos Bitencourt, iniciou as obras de restauração da sede, ou templo.

O maçom cuidadoso, e detalhista, José Lauro de Oliveira Filho fez uma lista alongada das atividades em 2018, da qual destacamos alguns eventos.

Realizou-se o Forum Maçônico, oportunidade para por em foco temas de interesse público. Este ano o assunto escolhido foi a adoção, o acolhimento de crianças feito por famílias, ou pessoas. Houve a participação da ONG Acalanto e o apoio de diversas entidades, entre elas a UNIT.

O Concurso Literário de Conto Crônica e Poesia, do qual participam milhares de estudantes e professores de Sergipe e outros estados, produziu o quarto volume da Antologia, onde se destacaram vocações, e se fez a abertura para o ingresso dos jovens no mundo fascinante e construtivo da literatura. O coordenador, Domingos Pascoal, avalia que o Concurso já se tornou um dos maiores do país.

Houve homenagens na comemoração em novembro dos 146 anos a maçons, com historia exemplar de dedicação, como os maiores entre eles, Carlos Teles Satler com 97 anos, e José Francisco da Rocha, o doutor Rochinha, aos 93, este, em Sergipe e talvez no Brasil o maçom com mais tempo de iniciação. Homenageados também, com a Medalha do Mérito Cotinguiba Orlando de Carvalho Mendonça, industrial que divide o seu tempo entre as empresas e o Asilo rio Branco, o ativista cultural e escritor Domingos Pascoal, os maçons que muito contribuíram para a restauração do edifício sede, Jorge Alberto Peixoto, Moises Pereira dos Santos, e o capitão-aviador Diego Teixeira, também maçom e comandante do destacamento da FAB em Aracaju que, agora transferido para Roraima, deixou a semente de um trabalho social entre os jovens dos bairros que circundam o aeroporto.

Pelo esmero, dedicação e eficiência como programaram os eventos de aniversário, 146 anos, foi homenageado o casal Carlos Bitencourt, o Venerável da loja, e sua esposa Mônica.

Durante a campanha foram convidados os candidatos a governador para que expusessem seus planos e participassem de debates. Durante todo o ano foram realizadas palestras, com destaque para as proferidas pelo médico Luciano Franco, sobre aspectos do câncer de próstata, e Manoel Moacir, sobre a simbologia do Natal e a figura de Maria, a mãe de Jesus.

O ano encerrou-se com uma confraternização reunindo a Cotinguiba, as famílias das Lojas Marcos Ferreira de Jesus, Piauhytinga e José de Alencar Cardoso, na Fazenda Aroeira, do empresário e ex-venerável da Cotinguiba Ibrahim Salim. A fazenda é um exemplo de produção agrícola ao lado da preservação ambiental. A mata ali existente, por onde corre um rio limpo, e há nascentes, é refugio de uma quantidade de bichos, entre eles pássaros e mamíferos, já quase desaparecidos em Sergipe, e isso a uma pequena distancia do centro de Aracaju, às margens da rodovia BR-101, em São Cristovão. Na confraternização foi reforçado o compromisso de apoio à chapa Orlando Carvalho de Mendonça e Benone de Faria, para comandarem o Grande Oriente de Sergipe.

 

Voltar